Leila Luz

A soteropolitana de 32 anos é a líder global de diversidade e inclusão na gigante de alimentos BRF, onde entrou em 2019 depois de passagens por multinacionais do setor químico nos últimos 8 anos. Suas experiências profissionais em setores majoritariamente masculinos e brancos a fizeram perceber as implicações de quem ela representava naqueles espaços: “Isso me fez experienciar diferentes situações em questões raciais que me trouxeram amadurecimento e aprendizagens que, com toda certeza, moldaram minha carreira até aqui”, ressalta. “Ter a oportunidade de transformar as variadas micro agressões que sofri em uma oportunidade de olhar o todo, entender o contexto que eu e outras mulheres negras também atravessaram e qual era meu lugar no mundo, me trouxeram um sentido de propósito”, conta Leila, referindo-se ao foco na educação corporativa sobre como pessoas podem se conectar com distintas realidades de maneira inclusiva.Em seu trabalho em diversidade e inclusão, vê a inovação como um dos pilares. “É uma troca quase simbiótica entre os temas num campo ainda em recente estudo e exploração no mercado”, aponta. A experiência individual de Leila a fez olhar o mundo por outras lentes, mas a vontade de mudá-lo. Ela conta que isso a conectou com um senso de propósito e a valorização do conhecimento. Essa busca está presente em sua formação, que inclui uma graduação em relações públicas pela Universidade do Estado da Bahia com especialização em gestão de projetos pela FGV, além de curso de extensão em administração de empresas pela Universidade de Oregon, nos Estados Unidos, e a qualificação como coach.Para Leila, que busca se firmar como referência no tema de diversidade e inclusão, a inovação é um processo de geração de novas ideias, revisão de processos e propostas de melhoria: “A inovação se traduz em um esforço contínuo que envolve desde a gestão do conhecimento até a visão sistema da cadeia na qual a organização está inserida, uma vez que cada setor possui um nível de velocidade e maturidade em modelos de inovação”, ressalta a especialista. “Compreender o ambiente para engajar e conectar pessoas para um processo de cocriação é um exemplo de como a inovação pode alavancar resultados de negócio e, por meio da diversidade dos sujeitos envolvidos, catalisar a oportunidade de novas ideias.

Fonte: forbes.com.br